Loading

Maria Antonieta Alentado Oliveira

Os Sons do Silêncio

 

OS  SONS  DO  SILÊNCIO

 

 

Que saudades eu tenho

do silêncio das ruas.

do chiar do eléctrico

do sonoro tilintar

Da calma e tranquilidade

de passear na cidade

E o silêncio

do autocarro que parou

Da porta que se abriu

Da menina que sorriu

 

E o silêncio

da fava- rica que passa

da boa castanha assada

e do toc-toc da chinela da varina

com os restos na canastra.

 

Que silêncio!

Que saudades!

 

Do dlim-dlam do sino da igreja

Do gri-gri dos grilos, nas noites de verão

E do pipilar das aves

 

O silêncio das vidas em segredo

nem as ruas os sabiam

O silêncio da bota grossa da tropa

dos magalas que passavam

E do apito do policia sinaleiro.

 

Que saudades

destes sons que eu ouvia

no silêncio que existia.

 

Que saudades!

 

 

Maria Antonieta Oliveira